E se usássemos 100% do nosso cérebro